segunda-feira, dezembro 27, 2010

Exemplo de diva

Gosto de quem trabalha,de quem veste a camiseta, de quem faz do seu trabalho um motivo especial para viver, não só a forma de sobrevivência. Então não tenho como deixar passar em branco o vídeo que acabo de assistir. É a última parte do último programa Hebe no SBT. Após cantar, ela faz uma declaração emocionada, despedindo-se da emissora onde trabalhou por 25 anos. Hebe tem mais do que 80 anos, não precisa trabalhar. Sua fortuna é considerável e a batalha durante toda a vida lhe credencia a se aposentar e ficar em casa, mas não quer. Vai a luta e, tudo indica, estará na Rede TV, em 2011. O SBT perde, mas o país perde um exemplo de dedicação e carinho a uma causa: o SBT. Como Hebe mesmo disse, em sua testa tem três letras: SBT. Sentir a dor que ela demonstrou ao dizer adeus foi, de fato, emocionante. Oxalá todas as empresas tivessem pessoas como ela, que até saem, depois de rejeitar muitas e boas propostas, mas que podem sair de cabeça erguida e com o dever cumprido, até o último minuto. Exemplo de vida e de profissionalismo, assim é a Hebe Camargo, diva da TV brasileira. Se quiserem ver, acessem: http://www.sbt.com.br/sbtvideos/media/?id=2c9380e32d0992d9012d136cd6f70312

segunda-feira, dezembro 20, 2010

Tom no Mazup


Estão bombando os comentários sobre o texto que escrevi para o Mazup da última sexta-feira. O pessoal se identificou, porque todo mundo tem ou quer ter um animal doméstico. Recebi e-mails e algumas ligações. De fato, o Tom é o cara, e merece todo este estrelismo. Acessa lá www.mazup.com.br

sexta-feira, dezembro 10, 2010

Taci inspiradora

Estava lendo o blog a da Taciana Colombo (www.queroentrarnumbiquini.blogspot.com), enquanto aguardo algumas páginas do Meio Ambiente na Escola - são 2h da manhã de sádado. O jeito que a guria escreve empolga a escrever. Ela consegue ter o hábito de manter atualizado o seu espaço virtual, que ganhou um monte de fãs reais. Trata do cotidiano e, principalmente, da dificuldade que as pessoas têm para a manutenção do peso. Faz uma mescla de assuntos muito interessantes, que levam a pensar e traçar análises de como vive a sociedade, que se esconde atrás de estereótipos. Além de toda esta perspicácia no seu texto, que é quase um estudo antropológico do ser humano, ela tem uma vista sensacional de Lajeado, nos olhando do alto do São Cri. Grande Taci!

quinta-feira, dezembro 09, 2010

Mais e Mais


Acho que já fiz um tópico sobre esta música e até já coloquei aqui para vocês ouvirem. Se não fiz, estou meio louco - o que também pode ser uma realidade. O que importa, na verdade, é o fundamento da letra desta canção, interpretada por Fafá de Belém. Ela se refere ao amor. Trata sobre uma pessoa que sofreu por amor e estava desiludida, mas depois conseguiu dar a volta por cima, quando encontrou uma outra pessoa e tudo ficou bem. Vale, de fato, para os romances que a vida nos apresenta. Nem sempre as escolhas são as melhores, ou o momento é o correto, até que uma grande mudança pode se transformar em uma revolução.
O restante das situações da vida também pode ser encarado desta forma. Se hoje algo nos incomoda, amanhã poderemos fazer uma revolução e termos dias melhores, quer seja no trabalho, na vida pessoal, no convívio com a família, enfim, em tudo. Ouçam aí e analisem se não estou certo.

terça-feira, dezembro 07, 2010

Além do horizonte

Os caras devem estar certos: além do horizonte deve existir um lugar; devem existir alternativas, caminhos, opções para um bando de seres que, admito, não sei o que vieram fazer neste lado do mundo - a parte que fica antes do horizonte. Não entendo se sou muito exigente com as pessoas - sou assim comigo também -, ou se, de fato, alguns estão deixando a desejar à humanidade.

sexta-feira, dezembro 03, 2010

Jornalismo? Onde?

Não gosto de cutucar colegas de profissão, até porque sei o quão difícil é fazer o jornalismo de verdade, atualmente. Interesses econômicos, políticos, ou mesmo pessoais, fazem com que a dita verdade fique em segundo plano nos meios de comunicação. Não estou me referindo a um em específico. Falo de uma maneira geral.
Não vou me furtar, porém, de tratar sobre o www.coletiva.net que é um site que costumo acompanhar e admirar, porque trata de forma bem abrangente o assunto comunicação. Entretanto, já não posso dizer que fazem o jornalismo puro e bonito que pregam. Estive, de alguma forma, bem próximo de três matérias elaboradas por eles. Na primeira pegaram uma informação pelo telefone, que alguém respondeu, e divulgaram sem maiores apurações; depois fizeram uma matéria opinativa (digo assim, porque não ouviram fonte alguma); e por fim deram crédito de um furo ao Zero Hora (por texto publicado quarta-feira), quando, na verdade, a informação teria saído no jornal O Informativo (sábado anterior). Por certo eles não precisam saber que saiu. Ocorre que foram avisados e até agora (sexta-feira, 14h39min)nenhuma atitude foi tomada. Pelo visto, o jornalismo verdadeiro existe só quando é para cobrar dos outros. A prática é bem diferente.