sábado, agosto 27, 2011

Padrinho


Recebi, recentemente,e aceitei, é claro, o convite para ser dindo novamente. Mais um garoto. Agora, o filho da minha amiga Daiane. Ela está morando em Tabaí e o batizado será no dia 10 de setembro. Bom demais receber este tipo de convite e depois acompanhar o crescimento dessas pessoinhas incríveis. É o caso do meu afilhado, Gu. A figura é muito engraçada, e ouvir ele chamar de dindo é bem show. Você vê ele na foto, só que está maior.

Rede Social

Devo ser uma pessoa muito bonita, que instigue nos seres o ímpeto da paixão - não que me considere. É apenas uma inferência sobre o que tenho visto nas redes sociais. Abro o tal de Facebook e uma menina questiona se sou solteiro; nem bem lê a resposta já faz a sua segunda investida: "Me manda teu telefone ou MSN". Ah, como diz meu amigo Paulo Mulinari, "Tenha a santa paciência".Querer conversar com alguém, fazer uma amizade, conversar, trocar ideias... é tudo muito bacana, entretanto, deve haver limites - pessoais, não externos.

Público

Sei que muitas pessoas passam por aqui - vejo pela avaliação estatística que o Blogger disponibiliza. Também sei que tenho escrito pouco, mas ninguém tem ideia do quanto estou em atividade. Editor do jornal O Informativo (Lajeado), coordenador do jornal Nova Geração (Estrela), comentário e programa Classivale Imóveis na TV Informativo (Lajeado), site www.revistaleite.com.br; segunda edição na versão impressa da Revista Leite, Twitter, Facebook, e, muito raramente, blog. Sei que o Emilio Rotta, o pai da Sara, é o cara que costuma se manifestar, querendo fazer com que Ermilo Drews - ao qual me rendo à qualidade textual - e eu escrevamos. Pois descobri que existe outro ser que passa por aqui: meu amigo e irmão, Jerônimo Mulinari. Me cobrou, noutro dia, o porquê o blog não estava atualizado. Fico feliz, na verdade, por saber que pessoas esperam algo de mim.

segunda-feira, agosto 01, 2011

Um abraço

Feliz ideia teve o marqueteiro político (sei que o pessoal do marketing não gosta muito deste termo, mas é o que, aos leigos, melhor definie a função), que ensinou os candidatos e pessoas ligadas à área a abraçar. É verdade, que muitos ficaram no tapinha nas costas, que serve como meio abraço. Eles consegue passar maior segurança, proximidade - mesmo - àqueles que estão vendo pela primeira vez.
Afora o abraço do político, que é cheio de interesse, nem sempre com boas intenções, existem outros abraços que cativam, emocionam, motivam. A vontade é dizer o quanto é legal o toque do abraço, o sentir a pele e o peito de quem se abraça, ouvir o coração fazer o seu tum tum frenético, enfim, saber que é dado com carinho e sinceridade. Indiferente da situação, distribua abraços, cumprimentos, boas palavras e sorrisos. Seus dias vão ficar bem melhores.