segunda-feira, outubro 29, 2007

Amizade

Há pouco mais de um ano escrevi sobre a solidão. Não havia muitos dias tinha mudado de cidade. Deixava a minha conhecida Taquari para um ambiente mais movimentado, com o dobro da população e a tradição progressista alemã: chegara em Lajeado. Os primeiros momentos foram de apreensão, mesmo tendo sigo bem recebido pelos colegas do jornal e as poucas pessoas de quem tinha notícia nesse município.
Me senti só. Para mim não era novidade. Mesmo com a vida agitada e sendo bastante conhecido onde trabalhava, não podia contar com muita gente além de minha família. Eram alguns amigos que, talvez, não passasse do número de dedos. Me sinto bem assim. Acontece que em Lajeado nem essas pessoas estavam comigo para poder me dar um ombro para chorar, um ouvido para que eu falasse minhas mágoas - nunca fui de falar quando tinha oportunidade, mas quando vi que não havia quem me ouvir, então vi que precisava -, não tinham olhos para ver meu trabalho e dizer se estava bom ou ruim; faltava a Jair da Lagoa Seca, o Zé, do Rincão, as gurias do Clube de Mães, o pessoal da 3ª idade, ouvintes que formavam uma grande família - saudade disso.
A solidão em Lajeado foi diminuindo com o surgimento de algumas pessoas que, com um grande coração, foram me inserindo num grupo bem parceiro. Eles não substituem os antigos, mas podem ser chamados de amigos e me orgulho muito disso. A vida, porém, faz com que todos os dias siga sozinho para casa, à noite. É difícil reunir o pessoal durante a semana, todos trabalham e têm suas obrigações. Foi nessa caminhada, agora pequena, pois estou morando perto do jornal, que conheci um ser especial.
Ele tinha tudo para não me querer bem, pois a sua função era virar a cara aqueles que passam durante à noite, sem importar quem seja. Mas o danado começou a dar amostra de que assim como eu, precisava de um pouco de carinho (tem dia que estamos assim); até que um dia colocou a mão na cerca e me permitiu aproximação. Assim que o alisei ele baixou a cabeça, encostou no alambrado, como pedindo o carinho que não recebia.
Depois deste dia. Todas as noites me encontrava com ele - de passada, é verdade - só enquanto estava cruzando a frente da loja de carros, mas servia para ver que ele sentia a presença de alguém e que não estava só. Sumiu meu amigo, o canino da loja da esquina não apareceu mais - por certo o dono viu que ele não servia como um cão de guarda, mas um grande produtor de amigos. No primeiro dia vi que ele estava preso e chorava muito. Depois, nem isto mais. Coitado, deve estar só em outro lugar. Assim como eu. Tenho os meus amigos e iiiiiihhhhhhhiiiiiii. Tomara que ele tenha também.

sexta-feira, outubro 26, 2007

Não precisa mudar

- Ouvi uma música cantada por Ivete Sangalo e, admito, não sei quem mais, que me fez pensar muito e entender um pouco do que é o amor verdadeiro, quando a gente se identifica com uma pessoa e se doa para ela. A letra está abaixo. Tire suas conclusões e dance - é bem gostasa de seu ouvir.

Não precisa mudar
Vou me adaptar ao seu jeito
Seus costumes, seus defeitos
Seu ciúme, suas caras
Pra que mudá-las?
Não precisa mudar
Vou saber fazer o seu jogo
Saber tudo do seu gosto
Sem deixar nenhuma mágoa
Sem cobrar nada
Se eu sei que no final fica tudo bem
A gente se ajeita numa cama pequena
Te faço um poema e te cubro de amor
Então você adormece
Meu coração enobrece
E a gente sempre se esquece
De tudo o que passou

Gosto de mim

Sou integrante do Cenáculo de Maria e, para isso, tive que participar de um retiro sensacional. São momentos inesquecíveis que não posso contar. Quem tiver a oportunidade vai poder concordar comigo. Mas quero é dizer que naquele momento me dediquei a conhecer muito bem eu mesmo. Precisava ter essa chance de conversar com o meu "eu" íntimo, aquele que nem eu sabia que existia. Caraca, como é bom você se conhecer, saber o que quer, tomar decisões que podem influenciar em todos os seus dias, e que se transformam na perfeição para a eternidade. Estou decidido. Sei quem sou, onde estou e para que vim. Sei dos meus propósitos, das minhas intenções, da minha vontade. Tenho que agradecer ao velhinho lá de cima e ao meu "eu", que se expôs, se mostrou e me fez gostar ainda mais de mim mesmo.

Final de semana

Chega mais um findi e ele promete. Quero fazer muitas coisas entre elas dormir. Quando cansar de ficar deitado para um lado vou virar para o outro e curtir ainda mais o sono. Esta semana foi corrida e quero descansar e curtir a vida. uhuuuuuuhhhh ihhhhhiiiiiiihhh

sexta-feira, outubro 19, 2007

Para você

Quero colher as flores mais lindas que ver,
quero revelar as mais belas imagens,
quero preparar os melhores pratos,
quero ter os melhores vinhos,
quero tudo isso e muito mais para ofercer a você.

Afilhado


Domingo vou batizar meu afilhado, o Gu. O menino é uma graça e é meu primeiro afilhado de batismo - sou dindo da minha irmã na formatura de pré-escolar dela. Vida longa e feliz para os dois!!!

Conhecer gente

Sou apaixonado por Jornalismo. Todo esse sentimento não é apenas pela escrita, a língua portuguesa, ou até o glamour que a profissão pode ter na sociedade. O que me atrai mesmo é a possibilidade que temos de conhecer as mais diferentes pessoas, enquanto buscamos informações. Noutro dia falei com uma senhora que tem 97 anos. Tri empolgada, feliz da vida, tem um cotidiano de muito trabalho e diversão. Dias destes foi a vez de conversar com a Dona Gonçalina, uma senhorinha de 102 anos. Um pouco cansada devido ao problema nos pulmões, mas sem perder o bom humor. Ao justificar que estava meio tonta falou: "Tô de porre, tomei muita cachaça" e riu. Coisa boa ver a experiência destas pessoas e poder comparar com as crianças que encontramos nas escolas.