segunda-feira, dezembro 27, 2010

Exemplo de diva

Gosto de quem trabalha,de quem veste a camiseta, de quem faz do seu trabalho um motivo especial para viver, não só a forma de sobrevivência. Então não tenho como deixar passar em branco o vídeo que acabo de assistir. É a última parte do último programa Hebe no SBT. Após cantar, ela faz uma declaração emocionada, despedindo-se da emissora onde trabalhou por 25 anos. Hebe tem mais do que 80 anos, não precisa trabalhar. Sua fortuna é considerável e a batalha durante toda a vida lhe credencia a se aposentar e ficar em casa, mas não quer. Vai a luta e, tudo indica, estará na Rede TV, em 2011. O SBT perde, mas o país perde um exemplo de dedicação e carinho a uma causa: o SBT. Como Hebe mesmo disse, em sua testa tem três letras: SBT. Sentir a dor que ela demonstrou ao dizer adeus foi, de fato, emocionante. Oxalá todas as empresas tivessem pessoas como ela, que até saem, depois de rejeitar muitas e boas propostas, mas que podem sair de cabeça erguida e com o dever cumprido, até o último minuto. Exemplo de vida e de profissionalismo, assim é a Hebe Camargo, diva da TV brasileira. Se quiserem ver, acessem: http://www.sbt.com.br/sbtvideos/media/?id=2c9380e32d0992d9012d136cd6f70312

segunda-feira, dezembro 20, 2010

Tom no Mazup


Estão bombando os comentários sobre o texto que escrevi para o Mazup da última sexta-feira. O pessoal se identificou, porque todo mundo tem ou quer ter um animal doméstico. Recebi e-mails e algumas ligações. De fato, o Tom é o cara, e merece todo este estrelismo. Acessa lá www.mazup.com.br

sexta-feira, dezembro 10, 2010

Taci inspiradora

Estava lendo o blog a da Taciana Colombo (www.queroentrarnumbiquini.blogspot.com), enquanto aguardo algumas páginas do Meio Ambiente na Escola - são 2h da manhã de sádado. O jeito que a guria escreve empolga a escrever. Ela consegue ter o hábito de manter atualizado o seu espaço virtual, que ganhou um monte de fãs reais. Trata do cotidiano e, principalmente, da dificuldade que as pessoas têm para a manutenção do peso. Faz uma mescla de assuntos muito interessantes, que levam a pensar e traçar análises de como vive a sociedade, que se esconde atrás de estereótipos. Além de toda esta perspicácia no seu texto, que é quase um estudo antropológico do ser humano, ela tem uma vista sensacional de Lajeado, nos olhando do alto do São Cri. Grande Taci!

quinta-feira, dezembro 09, 2010

Mais e Mais


Acho que já fiz um tópico sobre esta música e até já coloquei aqui para vocês ouvirem. Se não fiz, estou meio louco - o que também pode ser uma realidade. O que importa, na verdade, é o fundamento da letra desta canção, interpretada por Fafá de Belém. Ela se refere ao amor. Trata sobre uma pessoa que sofreu por amor e estava desiludida, mas depois conseguiu dar a volta por cima, quando encontrou uma outra pessoa e tudo ficou bem. Vale, de fato, para os romances que a vida nos apresenta. Nem sempre as escolhas são as melhores, ou o momento é o correto, até que uma grande mudança pode se transformar em uma revolução.
O restante das situações da vida também pode ser encarado desta forma. Se hoje algo nos incomoda, amanhã poderemos fazer uma revolução e termos dias melhores, quer seja no trabalho, na vida pessoal, no convívio com a família, enfim, em tudo. Ouçam aí e analisem se não estou certo.

terça-feira, dezembro 07, 2010

Além do horizonte

Os caras devem estar certos: além do horizonte deve existir um lugar; devem existir alternativas, caminhos, opções para um bando de seres que, admito, não sei o que vieram fazer neste lado do mundo - a parte que fica antes do horizonte. Não entendo se sou muito exigente com as pessoas - sou assim comigo também -, ou se, de fato, alguns estão deixando a desejar à humanidade.

sexta-feira, dezembro 03, 2010

Jornalismo? Onde?

Não gosto de cutucar colegas de profissão, até porque sei o quão difícil é fazer o jornalismo de verdade, atualmente. Interesses econômicos, políticos, ou mesmo pessoais, fazem com que a dita verdade fique em segundo plano nos meios de comunicação. Não estou me referindo a um em específico. Falo de uma maneira geral.
Não vou me furtar, porém, de tratar sobre o www.coletiva.net que é um site que costumo acompanhar e admirar, porque trata de forma bem abrangente o assunto comunicação. Entretanto, já não posso dizer que fazem o jornalismo puro e bonito que pregam. Estive, de alguma forma, bem próximo de três matérias elaboradas por eles. Na primeira pegaram uma informação pelo telefone, que alguém respondeu, e divulgaram sem maiores apurações; depois fizeram uma matéria opinativa (digo assim, porque não ouviram fonte alguma); e por fim deram crédito de um furo ao Zero Hora (por texto publicado quarta-feira), quando, na verdade, a informação teria saído no jornal O Informativo (sábado anterior). Por certo eles não precisam saber que saiu. Ocorre que foram avisados e até agora (sexta-feira, 14h39min)nenhuma atitude foi tomada. Pelo visto, o jornalismo verdadeiro existe só quando é para cobrar dos outros. A prática é bem diferente.

quinta-feira, novembro 25, 2010

Os quereres

Vontade de escrever; vontade de abraçar; vontade de sentir; estou cheio de vontades. Quero poder deitar, novamente, só para ter a sensação de abrir os olhos e te ver; quero colocar a mão no teu peito e sentir o pulsar do teu coração; quero beijar sua boca, sentindo o gosto da liberdade, da esperança, de tesão mesmo; quero passar frio para ser aquecido; quero ser mimado; quero tudo ao mesmo tempo; mas o que é o tempo se não um contador para esperarmos, ou agirmos, pelo que vem depois?

terça-feira, novembro 16, 2010

A história do camelô


Não se trata de uma defesa do empresário Silvio Santos, mas de uma análise sobre o que sinto, e o que vejo acontecer nos últimos anos. O cara é, inegavelmente, um grande empreendedor. Fez do pouco um muito. A forma como chegou a ter tudo o que tem hoje, é conhecida de todos. Sempre foi bom negociador e tem um carisma ímpar, o que fez com que convencesse a muita gente a adquirir seus produtos e os jogos legalizados. Toda essa habilidade o fez virar o Homem do Baú, a criatura da risada mais repetida da história. Eis que se vê diante de uma situação inusitada e, porque não, triste. Sua financeira, o Panamericano, vira notícia de página indesejada. Maquiagem de balanços, prejuízos, desvios, enfim, crimes financeiros envolveram esta, que é uma das 44 empresas do Grupo Silvio Santos. Dá para acreditar que ele não sabia de nada, como disse?
Sim. Dá. Não é a primeira vez que um empresário como ele é vítima da sua falta de conhecimento sobre as movimentações financeiras feitas em seu patrimônio. O pior é que, na confusão, aparecem nomes de parentes dele e da esposa. O que não dá para acreditar é que, ao chegar aos 80 anos, ele se vê obrigado a colocar tudo que conquistou em jogo. Pôs todos os empreendimentos, a maior parte bem sucedidos, no pendura para garantir o empréstimo que salvou o Panamericano. Quem mais faria isto? Quem mais se preocuparia com a imagem desta forma? Quem mais teria este tipo de atitude, que assusta a seus funcionários, mas que dá mostra de que ainda tem muito a oferecer e que pode conseguir sair por cima?
Só o tempo dirá como vai terminar a vida o camelô carioca que virou bilionário.

sexta-feira, novembro 05, 2010

Tarados

Talvez pelo calor que faz no Brasil, pelo formato dos corpos - todos bem definidos, gostosos e tal - somos bem tarados. Isso vemos nas ruas, quando homens não conseguem conter o seu ímpeto e soltam um sonoro: "Daí gostosa!". Estou chegando a esta constatação ao analisar as estatísticas deste blog. O post mais acessado, disparado - coisa de dez vezes mais do que o 2º lugar - tem o título "Coxa grossa". O conteúdo não tem nada a ver com as torneadas coxas de uma mulher e do Roberto Carlos (jogador de futebol), que ilustraram o post. Na verdade, falava sobre a possibilidade de problemas cardíacos para quem tem esta parte do corpo avantajada. Certo que o pessoal não estava tão preocupado com a saúde. Somos tarados, mesmo.

quinta-feira, novembro 04, 2010

Leite

O leite é fundamental na vida do ser humano, desde o seu nascimento - primeiro o da mãe, depóis o da vaca - até a terceira idade, quando auxilia na prevenção à osteosporose. Agora, você sabia que pode servir para produzir isopor? Quer saber mais sobre isto? Acessa o www.revistaleite.com.br

quarta-feira, novembro 03, 2010

À flor da pele

Os ânimos estão à flor da pele. Nas ruas, nos ambientes de trabalho, nas creches, enfim, por onde se passa há a percepção de que somos um vulcão em erupção. E para explodirmos e jorramos toda nossa lava quente e devastadora não é preciso muito. Bastou respirar em tom mais alto ou ofegante, olhar disperso ou com muito afinco, que já detonamos nossa ira. É verdade, estamos próximos do final do ano - o Papai Noel até já dá a cara nas vitrinas - e o pessoal já se mostra cansado, como se tivesse necessidade de férias. Mas será que este é o único motivo de tanta revolta? Admito que não sei. O que vejo é uma turma de gente armada até os dentes, pronta para descarregar. A sugestão é colocar os pés na terra, jogar futebol descalço, fazer muito amor com a pessoa que ama, gastar muita energia e relaxar.

terça-feira, novembro 02, 2010

Explicação do baixo salário

Existem muitos profissionais que recebem bem menos do que merecem. É o caso dos professores e dos jornalistas. Adianto que este é um texto de interesse próprio, pois a intenção é abordar o baixo rendimento daqueles que trabalham nos órgãos de imprensa. Antes da Justiça cometer a barbaridade de jogar o diploma no lixo, a criatura tinha que gastar - por baixo - entre R$ 50 mil e R$ 80 mil para se formar, ganhar o canudo e ir para a disputa cruel do mercado - lógico que aos bons sempre existe uma porta aberta. Conseguido o trabalho, fica sabendo que vai receber R$ 1.240,00 (já com o aumento). Isto representa pouco mais do que dois salários mínimos. Mesmo partindo de uma classe mais abastada, vai direto para C, na berlinda com a D.
O que explica alguém buscar esta profissão? Resposta: o status quo. E agora não é uma exposição só do meu "eu". É apenas uma análise sobre o que tenho visto. É curioso ver como a repercussão da matéria feita pelo jornalista o encanta. Parece que fez mais com o propósito de ouvir o barulho do que com a finalidade de informar. Daí, se dá um barulhão, então, vale mais do que dinheiro. Chegou-se à explicação: o status da matéria vale mais do que aquele salário baixo que ganha. Assim, não se esmera na luta por maiores rendimentos. Para conseguir bastante dinheiro acaba trabalhando em muitos locais ao mesmo tempo e fica maluco.
Acho que nós, jornalistas, nascemos para ficarmos malucos! E é assim que é bom! Poderia ter um salário maior. Ninguém ficaria magoado se fosse maluco e rico.

Eles estão no comando

As mulheres estão cada vez mais no comando. O país acaba de eleger Dilma presidente da República. Os gaúchos se anteciparam e colocaram Yeda Crusius como a primeira governadora. Os lajeadenses foram ainda mais audáciosos e já tinham Carmen Regina - para dois mandatos - na chefia da Prefeitura. Mas não é só no poder público que isto ocorre. Nas empresas, boa parte dos cargos de chefia estão nas mãos de mulheres. Exemplo claro é a Rede Vale de Comunicação, que publica O Informativo. Por andares: Recursos Humanos: mulher; classificados: mulher; assinaturas: mulher; financeiro: mulher; tráfego: mulher; cobrança: mulher; impressão: homem; redação: homem e mulher; arte: mulher; comercial: mulher; RP: mulher; regionalização: mulher; fundação: mulher; administração geral: homem; cozinha: mulher; Mazup: homem. Ou seja, foram elencados 16 setores e apareceram só quatro homens. Os resultados positivos mostram que não foi uma escolha ruim - ao menos na Rede Vale.

R$ 10,00

Tem um anúncio que aparece, vez por outra, neste blog, que está me deixando encasquetado. É o que mostra alguns hambúrgueres e fala na possibilidade do cidadão comer quantos suportar por R$ 10,00. Pelo menos foi o que entendi. Se bem se conhece estes são muito parecidos com aqueles do McDonald, que costumam ser bem pequenos. É uma oportunidade de lotar a pança por bem pouco.

segunda-feira, novembro 01, 2010

Mudança? Nããããããããoooo

Parece que terei que me mudar. Não quero; não gosto; não curto qualquer tipo de mudança. Sou pacato, parado, na minha. Sei que muitas são para melhor - a maior parte delas, é verdade - mas me desamino só de pensar que devo agilizar as coisas para que mudem. Quero ficar como estou; quero a marca da minha bunda no sofá da sala; quero as coisas como são. Não se assuste! Não sou tão parado - apenas estou irritado com a ideia da mudança por uma série de outros fatores. Vai ser bom no final. E que assim seja!!!

domingo, outubro 24, 2010

A culpa é dos artistas

Não costumo notar a forma como as pessoas se vestem, ou se fantasiam - me parece que é o que começa a ser versado como moda -, mas vi algo, hoje, que me fez pensar. Uma mãe - acredito que seja - com dois rapazes, que podem ser amigos ou irmãos, porque tinham idade aproximada, por altura, jeitos e forma de se portar. Os garotos estavam vestidos no mais clássico modelo Restart. Um deles usava aquele chapéu - modelo Chaves - com orelhinhas tipo cachorro, com um naco de cabelo na frente, quase cobrindo o rosto, óculos de grau com armação, que mais parece daquelas distribuídas em sorvete seco no passado; a calça colada, à meia bunda; blusa também de uma cor diferenciada, nem lembro de tantas que tinha; e um tênis botinha, estofado, verde-limão, com laranja, roxo e mais alguns detalhes. O outro se parecia muito, exceto por um diferencial: não tinha chapéu.
O que me fez pensar é qual seria o motivo para fazer estes garotos se fantasiarem e ficarem andando feito espantalhos. É evidente que é por influência dos meninos da banda Restart. Mas quando as pessoas passaram a adotar os mesmos moldes de vestimenta do que os artistas? Talvez esta seja a pergunta chave para elucidar minha dúvida. Os astros - cantores (as), atrizes e atores - se vestiam de forma diferenciada. Havia uma produção toda especial, com brilho, com pompa. Na tentativa de aproximação com seu público, os artistas passaram a se vestir sem o glamour habitual. Assim, seria possível, nas ruas, andar da mesma forma que os astros estavam nos palcos. Só que ninguém avisou ao público que, em determinado momento, eles iriam cometer exageros. Ou seja, eles dão um jeito de aparecer e a galera vai para as ruas fantasiado.
Tudo bem, cada um faz sua moda. Mas que dói olhar como estão vestidos, não tenho dúvida. Também da pena da mãe, ter que andar com dois garotos vestidos feito espantalhos. De uma coisa tenho certeza: são corajosos e têm personalidade - não deles, a do Restart, mas têm.

sexta-feira, outubro 01, 2010

Eleições

Domingo tem eleição. Não importa o nome, nem o número que escolherás. O relevante é que faça isto com a certeza de que está colocando na Assembleia, no Piratini, na Câmara, no Senado, e no Palácio do Planalto, pessoas com conhecimento, projeto, que tenham condições de representá-lo. E não é só para fazer bonito. É para garantir dias melhores e honrar tudo o que fizeram aqueles que lutaram para termos o retorno da democracia. Portanto, vote certo! Vá à urna e confirme!!!

terça-feira, agosto 17, 2010

E viva a profissão, ou ex-profissão!

A partir de hoje estarei em Porto Alegre participando do Congresso Nacional de Jornalistas. O evento é para aperfeiçoamento, para discutir a profissão, para promover a interação entre os colegas de diversas partes do país. Quanta ironia, na verdade. Vamos discutir uma profissão que a Justiça descreditou. É lógico e certo que nem todos podem ser jornalistas. Escrever,todo mundo sabe, qualquer um que tenha sido alfabetizado, pode, mas escrever de forma que informe as pessoas, que conte a vida como ela é, exige mais do que conhecer a língua. É preciso ter vida, conhecer o ser humano, entender o que dizem nas linhas e entrelinhas. É preciso ter muita sensibilidade e, mesmo nos jornais e com diploma, poucos a têm.

domingo, agosto 01, 2010

www.revistaleite.com.br

Um novo projeto; um novo momento; uma nova e inusitada situação; mas sempre com o mesmo mote: informar!!! Assim surge o www.revistaleite.com.br É um site direcionado para divulgar o meio rural, em especial à cadeia leiteira. Se você produz, compra, vende, bebe, ou usa o leite para fazer doces e tudo mais, dê uma passada por lá. Acesse e divulgue o www.revistaleite.com.br

sábado, julho 17, 2010

Função social

Não acho que o jornalismo tem alguma função social, além da que lhe é dever: informar. Não há, hoje, maior arma do que a informação. Então, quando o jornalismo é bem praticado, a função social das empresas de comunicação está completa. Agora, quando é possível casar ação social com a imprensa o casamento sempre sai bem feito. Exemplo disto é a campanha de arrecadação de cobertores que o jornal O Informativo começou nesta semana. Tudo foi motivado por uma matéria do jornalista Anderson Pereira,que evidenciou a triste realidade de uma família. Não personalizando este post, gostaria que todo amigo e leitor fizesse a sua parte. Doe um cobertor para nossa campanha. Vamos fazer o nosso povo sofrer menos com o rigor deste inverno. Desde já agradeço aos que ajudarem.

terça-feira, julho 13, 2010

Surpresas

Não sou do tipo que gosta de surpresas. Mas algumas são mais do que surpreendentes, são especiais. São pinceladas que damos na pintura que é nossa vida, que nem parecem ser verdade. É como se o sonho das melhores noites de sono tivesse condições de se materializar, ganhar vida, transformar tudo o que por um momento parecia inatingível em algo palpável. E por mais repentino ou afoito que possa parecer, é concreto, como a base que serve de alicerce para os grandes prédios. Revejo, assim, meu conceito sobre surpresas. Elas podem ser bem agradáveis e mudar nossa vida.

Frases célebres

"A preguiça é a mãe do progresso. Se o homem não tivesse preguiça de caminhar, não teria inventado a roda."
"Ah, esses moralistas... Não há nada que empeste mais do que um desinfetante!"
Mario Quintana

Está frio

Está frio. No pescoço uma manta de lã espanta a chance de um resfriado inesperado. O corpo aquecido com as roupas mais diversas, que a falta de coerência em relação à moda pode ditar; os pés, como sempre, gelados, até suados, como se tivessem participado de uma maratona. A cabeça já está em casa, num chuveiro quente a espera de uma noite de sono tranquilo e mais do que agradável. Pobre de quem realmente é pobre, de quem tem o céu de estrelas como teto, de quem se cobre com folhas de papelão, de quem vive a mercê da ajuda alheia para se alimentar. E há gente que tem tudo que tenho, ou que tem mais do que tenho, e ainda reclama. Hipócritas.

segunda-feira, julho 12, 2010

Indignar-me

Queria ser mais burro. Não em se tratando de QI, até porque acho que tenho um bastante baixo, mas na capacidade de indignar-me com as situações da vida. Tenho a capacidade, como diz um amigo que admiro muito, de me manter em meio ao caos, mas isto não quer dizer que deixo de indignar-me. Trituro o coração; faço moído de estômago; devo logo ser cardíaco ou ser presenteado com uma úlcera, pois costumo guardar toda a ira dentro de mim. Queria conseguir ver as coisas acontecendo e não me irritar com elas; ver os erros e pensar que são coisas de seres humanos e não de relapsos; ver a vaidade das criaturas mortais, bípedes, ditas racionais, extrapolar o imaginável e não achar isto uma babaquice; queria ser menos crítico, saber elogiar mais e viver bem com os elogios. Seria tão bom. Enquanto isto indigno-me até mesmo com minha facilidade em indignar-me.

quarta-feira, junho 23, 2010

Morte Lenta

Quem não é de Lajeado deve estranhar, mas a pergunta é válida. Alguém já comeu um Morte Lenta temperado com maionese com alho? É perfeito. Quem é de Lajeado sabe que me refiro ao cachorro-quente feito em uma van, ao lado do cemitério no Centro. Vale a pena conferir!

terça-feira, junho 22, 2010

Quis doar sangue

Eu tentei. Fui com boa vontade - um medo do caramba - mas com boa vontade. A ideia era chegar no banco de sangue, estender o braço e dizer: "Pode tirar o necessário. É por uma boa causa". Daí tu chega lá, espera um pouco, faz um cadastro, que é rápido, mas que tem que esperar um monte até que seja feito. Te furam o dedo. É a primeira etapa física: o furo no dedo. Tenho 45 não sei o que, mas é bom. O mínimo é 38 para doar. Minha colega tinha 35 - fraca, precisa de Ferro. Forte, vigoroso, me achei. O pequeno "fortão". Entrei em uma sala com a "enfermeira" e começou o interrogatório. "Tem alergias?" - Asma, rinite, e tudo o que é ...ite, mas faz tempo que não dá nada. Então passa. Ufa!
Enfermeira: "Faz sexo?"
Eu: "Ahn?"
Enfermeira: "Sexo? Fez com parceiras diferentes nos últimos seis meses?"
Eu: "Sim".
Enfermeira: "Então não pode doar. Você faz parte do grupo de risco."
Eu: "Putz! Entrei com a maior boa vontade, mesmo me preservando ao máximo (camisinha e tudo e tal), e sai como alguém do grupo de risco."
É bem doida esta sensação. Um pequeno, fortão, e agora promíscuo, pervertido, ao menos na visão de quem recebe o sangue.

Frase

"Se você sorrir para a vida, ela te trará a razão de viver."(Ueiler Silva)

Não gosto de jogador fresco

Chega a dar nos nervos ver o Kaká jogando pela Seleção Brasileira. O cara tem uma marcação forte, é verdade, mas não precisa ficar tão chorão. E mesmo que fique. Tem que saber com quem reclamar. Tinha necessidade de dar tanto piti? O Dunga precisa mante-lo até ser expulso?

quarta-feira, junho 16, 2010

Jardim

Nem tudo no caminho da vida são flores. Os jardins têm ervas daninhas, nas plantas existem espinhos e tudo mais. Mas o melhor de tudo é saber limpar bem todas estas pragas e deixar apenas as flores, que soltam o melhor dos perfumes e têm cores exuberantes. Basta saber cuidar bem deste jardim.

Crer em Deus ou no destino?

A descrença em Deus está bastante grande. Cada vez mais percebe-se que as pessoas estão aderindo à ideia do ateismo. O motivo não sei. Assim, ganha força o conceito do destino. Prefiro ficar com a primeira opção e explico: quem acredita apenas em destino tem certeza de que um dia - se está reservado para você - as coisas vão acontecer. Ou seja, não é preciso agir. O cara fica sentado em uma cadeira na esperança de que o mundo conspire positivamente. Quem crê em Deus entende que existe o bem e o mal. Quem trabalha, se esforça, cedo madruga, é do bem. Quem fica parado (por opção) é do mal. Um motivador para ir atrás dos meus objetivos, graças a Deus.

domingo, junho 13, 2010

Expectativa frustrada

O Lajeadense conseguiu frustrar, hoje à noite, a expectativa de pelo menos 5 mil pessoas que estavam no Estádio Florestal. O time perdeu por 2x1, de virada. Para piorar, a vitória do São Paulo, de Rio Grande, frente ao Cruzeiro, de Porto Alegre, fez com que tudo ficasse embolado na busca das vagas para a Série A. Assim, o que estava garantido, agora depende de sorte, habilidade, vontade e nervos em dia para enfrentar os momentos tensos que vêm por aí. Avante, Alviazul!

segunda-feira, junho 07, 2010

Frase célebre

"Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém... Posso apenas dar boas razões para que goste de mim... E ter paciência para que a vida faça o resto..." William Shakespeare

As nuvens são logo ali

Quando criança olhava para as nuvens e pensava: do que seriam feitas essas coisas que ficam no céu. Ao frequentar a escola tive a resposta óbvia, simplória, coisa com graça. O bacana mesmo é saber que se pode caminhar sobre elas - não de fato, mas num mundo imaginário, quando se está bem consigo. Os passos são na medida certa, o terreno da nuvem é fofo e permite viajar tendo as sensações mais incríveis, que se pode ter.

domingo, junho 06, 2010

Um novo mundo é possível

Sempre achei estranha a ideia pregada no Fórum Social Mundial, que diz ser um novo mundo possível. A minha perspectiva sobre esta filosofia é de que o atual mundo está bem bom. Podemos fazer algumas adaptações, quando as coisas não estão de acordo com nossos interesses. Mas, passado algum tempo, começo a achar que um novo mundo é possível. E este novo mundo se apresenta de uma forma tão intensa e espetacular que, muitas vezes, parece um sonho. Daí consigo perceber que trata-se de uma importante, fundamental, e precisa realidade - coisa que não tem explicação pela grandeza, surpresa e beleza. E este novo jeito de sentir, de ver, de estar, de manifestar, de explorar o mundo, me deixa bem feliz.

quarta-feira, junho 02, 2010

Comemore com vinho

O frio, que já começa a mostrar a sua cara neste ano, faz pensar duas vezes na hora de comprar uma bebida alcoólica. É bem comum encontrar cerveja no carrinho do supermercado, mas o momento parece ideal para o vinho. Um bom vinho, uma boa companhia e a noite se estende com um sabor bem mais gostoso. E tem mais aquela história toda do romantismo, que a bebida dos deuses permite. Sagrado seja o vinho nosso de cada dia e todos os momentos que nos proporciona ou acompanha.

terça-feira, junho 01, 2010

Não esqueça

Em momentos de tristeza, não sorria. As pessoas não vão entender o que te fez sorrir. Em momentos de alegria, pode chorar, porque tudo explica um choro quando é verdadeiro.

quinta-feira, maio 20, 2010

O Trabalho

Tal como a chuva caída
Fecunda a terra, no estio,
Para fecundar a vida
O trabalho se inventou.

Feliz quem pode, orgulhoso,
Dizer: "Nunca fui vadio:
E, se hoje sou venturoso,
Devo ao trabalho o que sou!"

É preciso, desde a infância,
Ir preparando o futuro;
Para chegar à abundância,
É preciso trabalhar.

Não nasce a planta perfeita,
Não nasce o fruto maduro;
E, para ter a colheita,
É preciso semear...

Olavo Bilac

terça-feira, maio 18, 2010

Braile

Espero viver até o dia em que a gente possa ir nas lojas comprar memória - não para as máquinas, mas para nós. A minha é uma vaga lembrança. Falo isso, porque não me recordo o nome de um livro que vi no Festival do Livro Sommer/Gustavo Adolfo. Achei a obra sensacional. Era pequeno, mas teve um significado que, admito, me emocionou (estou virado num chorão, mesmo). Era um livro de poesias, mas tinha toda a tradução em Braile. Cara, é o máximo, porque permite àquelas pessoas que não conhecem a luz do dia adquirir conhecimento. E o mais bacana. Viajar seus sentimentos no mundo da poesia. Parabéns para quem teve a ideia e para os organizadores, que trouxeram esse exemplar.

sexta-feira, maio 07, 2010

O Informativo

Podem falar o que quiserem, quando estou em uma empresa visto a camiseta e faço tudo para que sejam conquistados os melhores resultados. É isso que tenho feito, com meus colegas, no jornal O Informativo. Neste sábado, o diário completa 40 anos. É história pra mais de metro. Milhares de vidas já foram noticiadas; é o reflexo do nosso povo do Vale do Taquari; é gente se vendo e vendo o que está acontecendo no resto do mundo. Não bastasse o motivo para comemorar, houve toda uma troca de layout. Que trabalheira.
Passava das 8h da manhã de sexta-feira quando acordei. Logo me arrumei e vim para o jornal. Agora são 2h44min de sábado. Estou no jornal e só vou sair daqui com meu exemplar na mão. Ele corre, assim como o dos outros, pela rotativa, enquanto uma turma gigante de entregadores espera para levá-lo. Os braços (meus) estão ardendo, meus olhos caídos e marejados, pensando no resultado que iremos colher. Pode não ser o melhor do mundo; pode não contentar a todos; mas foi o que nos dedicamos a fazer e oferecer, de coração e com muita garra.

quarta-feira, maio 05, 2010

Pensamento Digital

Admito que tenho dificuldades de pensar de forma digital. Nasci na era analógica. Sou do átomo, do palpável, da caneta e do papel; gosto de pensar vendo a tinta sair da caneta transformando-se em palavras, frases, textos; não me empolga ver as letras se formando a partir da loucura do sistema binário, que também não consigo entender. Mas estou escrevendo tudo isto só para lembrar aos nobres leitores, que ocorre, dia 13, o 1º Círculo de Palestras do Pensamento Digital. O tema? "Novas e velhas mídias na gestão de marca: a convergência das gerações nos negócios (a famosa geração X e Y). Os palestrantes? Não poderia ter melhor escolha: Dado Schneider e Ricardo Cappra. Vai ser no Weiand Turis Hotel, em Lajeado, às 19h30min. O ingresso é vendido por R$ 35,00. Adquira pelos fones 3707-0107 ou 8519-1130.

sexta-feira, abril 30, 2010

Frase célebre

Acho que alguém está tentando me dizer algo. Quarta-feira me deparei, por duas vezes, com a frase: "O amor é como o sol nos dias nublados. Você não pode vê-lo, mas sabe que ele está lá".

Casamento

Conversávamos, outro dia, na redação, sobre casamento. A primeira ideia que me veio à cabeça foi o que pensava em minha adolescência, e até na fase adulta, de que não me agradava pensar em acordar, todos os dias, ao lado da mesma pessoa. Me parecia muito monótona esta situação. É evidente que não planejava levar uma vida dedicada à promiscuidade com parcerias sexuais diárias e diversas. A verdade é que não tinha um conceito para isto.
Passado um tempo, aumentaram os fio brancos - e eles não páram de aparecer -, os olhos se cansaram um pouco e pediram óculos, o corpo já não é de um cara que malhava todos os dias, e veio, com isto, uma mudança de pensamento. Abrir os olhos pela manhã, olhar para o lado, e ver a pessoa que você ama é sensacional. É mais do que saber que existe alguém contigo.
Durmir de conchinha ou com as mãos dadas é predestinar sonhos e espantar pesadelos. Saber que é aquele rosto, aquele lábio, que irá beijar e acariciar; olhos que irá admirar para sempre, faz com que a imagem da mesma pessoa, em todas as manhãs, deixe de ser um motivo de ansiedade para se transformar em um motivo de satisfação.

quarta-feira, abril 28, 2010

Trabalho

Outro dia fui questionado sobre o horário em que estava acordando. Tenho aparecido bem cedo no jornal. Daí dei uma resposta só para retórica, daquelas que nada dizem, mas que também não ficam devendo nada. A verdade é que penso que cabeça ocupada não pensa bobagem.

terça-feira, abril 27, 2010

Valor de um amigo

A dificuldade de se encontrar um amigo de verdade é algo que me intriga. Existem, é claro, aqueles que são os amigos de verão. Eles te conhecem e são teus parceiros durante a estação, pois na tua casa tem piscina e quiosque bem bacanas. Existem aqueles que são teus amigos de inverno. A sua casa em Gramado é sempre motivo de empolgação para passar alguns finais de semana na Serra em turma - adoram andar em turma. Conheço aos amigos de primavera. Para eles tudo é colorido como um jardim de flores perfumadas. Não conseguem ver, nem falar de problemas. Não faltam os amigos de outono. São as criaturas que deixam as folhas caírem e não fazem questão alguma de ajudar a levantá-las.
Não tenho piscina, nem quiosque, nem casa em Gramado, não faço questão que curtam tudo que faço ou que digo, nem tenho força de levantar todas as folhas que caírem. Ou seja, só quero e só vou cultivar os amigos que se prestarem a ser meus amigos de verdade. São pessoas que mesmo sem saber tudo de mim, me dão atenção e não se incomodam em receber a minha atenção. Me respeitam e demonstram interesse em ser respeitados. Aceitam a troca de ombros sempre que precisar: um dia choro eu, outro dia meu amigo. Conquistam, realizam, têm vitórias e sentem orgulho disto, da mesma forma que se orgulham de minhas conquistas, realizações e vitórias.
Posso ter R$ 1,00, posso ter R$ 1 milhão. A única diferença para meu amigo será a distância que estamos. Dá uma saudade, quando a distância é grande. Dói, como dói o afastamento da família, de um grande amor.
Bom saber que tenho bons amigos, daqueles de verdade. Tenho muito mais destes dispensáveis, é verdade, mas eles também fazem parte da vida.

segunda-feira, abril 26, 2010

Quero amar

A praticamente inércia do final de semana me fez pensar. Daí já sabe, né, vem texto por aí:
Outro dia, bêbados é fato, falávamos sobre a diferença de trepar, fazer sexo e fazer amor. Nos convencemos - já pensava assim antes - que trepar é atirar-se à banalidade, como fazem as prostitutas. Se um cão aparecer em sua frente com uma nota de R$ 100,00, por certo, vão saciar a vontade do animalzinho (acredito que, tendo em vista determinados clientes, até prefeririam o cão mesmo).
O fazer sexo seria diferente. Você trocaria algum carinho e é com quem você já conhece; aquilo é bacana, quem sabe até engraçado, no futuro, mas o objetivo final é o mesmo: o gozo.
Fazer amor envolve tudo isto: carinho, carne, gozo. É, porém, muito mais. O toque no corpo da pessoa que se ama faz arrepiar, faz o coração bater mais forte. A penetração não é apenas uma forma de consumar o ato, é a oportunidade da criatura que você ama te sentir. O gozo vai existir, mas não é o principal. É só uma consequência que o físico te obriga. O que vale é o que o coração está sentindo naquela hora. É intenso, forte, inexplicável.
Aquele papo de boteco me deixou com vontade. Não de trepar ou fazer sexo. Quero fazer amor. Quero amar. Ouvir ao pé do ouvido o sussuro de um "eu te amo", e responder à altura ou, se a pessoa preferir, subir no mais alto moro e gritar para que todos saibam.
Transformar essa vontade em realidade não é fácil. Tenho 31 anos e posso afirmar categoricamente que fiz amor com uma única pessoa. Se fácil fosse, por certo, teria feito amor com mais pessoas. Na verdade é bom que não seja fácil. Não pode se vulgarizar o amor. Ele tem que ser único, mesmo que acabe, tem que ser intenso, tem que ser real e leal. Dele nascem sonhos, planos e, em alguns casos, filhos, que são a eternidade dos laços afetivos.
Todo o devaneio sobre o amor e a vontade de faze-lo não é reflexo de uma necessidade física, que todos podemos ter, de praticar o ato. Poderia faze-lo de qualquer forma. A necessidade, se é que assim pode se chamar, é emocional. Não seria suprida com o deitar sobre alguém e trocar fluídos. Precisa ser especial, o beijo tem que fazer sonhar, as carícias têm que arrepiar, o corpo a corpo tem que aumentar a temperatura, e tudo tem que ser o melhor momento para os dois.
O fato de ter exposto este anseio por aqui não quer dizer, também, que as pessoas podem mandar e-mail, carta, mensagem via celular, ou qualquer outra forma de contato, dizendo "te amo". Estas coisas só dão certo se acontecem quando não planejamos, quando menos imaginamos. Você se depara com a criatura e, por mais estranho que possa parecer, diz: "esta é a pessoa".
É destino? Não sei. O que sei é que assim acontece. E é assim que, acho, vai acontecer meu grande amor. A gente se machuca um monte, mas estou disposto a arriscar. ACho que o coração suporta algumas pancadas no futuro, depois de ser tão confortado.

quinta-feira, abril 22, 2010

Luz

Um grande projeto e, para coordenar ele, um jovem. Competente, com conhecimento, com vontade, e ainda jovem. Dá para ver no brilho dos olhos, ao apresentar a ideia para o público, que tudo aquilo é fascinante, que está muito orgulhoso de tudo que irá acontecer. O mais legal é saber que tem capacidade, e que junto de toda a razão que pode dominar seu ser está a sensibilidade. Os olhos marejam quando fala sobre o projeto: um ser iluminado.

terça-feira, abril 20, 2010

Cada leitura é um aprendizado

Se você está lendo este blog já é um bom sinal; e não falo isto, porque eu o escrevo, mas porque buscou algo para ler. Como diz o título deste post, cada leitura é um aprendizado. Todas as noites, antes de durmir, tenho pego um livro de história. É história mesmo, coisas que aconteceram e mudaram a humanidade. É perfeito. Viajo horrores antes de colocar às pálpebras à descansar. Imagino as cenas, além, é claro, de aprender sobre o que fez estarmos deste jeito. Você deve fazer o mesmo. Não precisa ser um livro de história. Pode ser literatura pura. Tudo é válido, até bula de remédio.

Toca Raul

Coisas ditas por Raul que gostaria de dizer ao mundo:

"Eu devia estar contente porque eu tenho um emprego
Sou dito cidadão respeitável e ganho quatro mil cruzeiros por mês
Eu devia agradecer ao Senhor por ter tido sucesso na vida como artista
Eu devia estar feliz porque consegui comprar um corcel 73
Eu devia estar alegre e satisfeito por morar em Ipanema
Depois de ter passado fome por dois anos aqui na cidade maravilhosa
Eu devia estar contente por ter conseguido tudo o que eu quis
Mas confesso abestalhado que eu estou decepcionado
E agora me pergunto: e daí?
Eu tenho uma porção de coisas grandes pra conquistar e eu não posso ficar aí parado

Eu devia estar feliz pelo Senhor ter me concebido o Domingo
Pra ir com a família no Jardim Zoologico dar pipoca aos macacos
Ah mas que sujeito chato sou eu que não acha nada engraçado
Macaco, praia, jornal, tobogã, eu acho tudo isso um saco
É você olhar no espelho se sentir um grandesíssimo idiota
Saber que é humano, ridículo, limitado
E que só usa dez por cento de sua cabeça animal
E você ainda acredita que é um doutor, padre ou policial
E que está contribuindo com sua parte para o nosso belo quadro social
Eu é que não me sento no trono de um apartamento
Com a porta escancarada, cheia de dentes, esperando a morte chegar
Porque longe das cercas embandeiradas que separam quintais
No cume calmo do meu olho que vê
Assenta a sombra sonora dum disco voador"

segunda-feira, abril 19, 2010

O melhor de tudo é ter amigos

Não tenho dúvida de que o melhor que temos nesta vida são os amigos de verdade. Você pode contrariar dizendo que existem os familiares. Verdade. A diferença é que estes não podem ser escolhidos. Bons ou maus (sempre são considerados bons) nos são dados e aprendemos a amá-los e defende-los. Os amigos não. São criaturas que não têm nosso sangue, não vivem em nossas casas, e muitas vezes vamos conhecer quando já estamos em fase adulta. E são estes seres, que parecem ter um coração gigantesco, que nos abraçam, nos dão carinho, nos fazem companhia, quando estamos tristes. São eles que percebem quando estamos cabisbaixo, quando nosso sorriso não é verdadeiro, e notam o mesmo que notamos em situações que todos ficam "boiando". Por isto e por tudo que significam para mim é que gosto dos meus amigos. Daqueles que trago do passado, dos que cultivo no presente, e dos que ainda conquistarei no futuro.

Ainda Raul


Ainda lembrando do grande Raul Seixas, e estabelecendo um link com minha vida e das demais pessoas, fica muito oportuno divulgar, cantar, alardear, a maluquice que se passa em nossa cabeça e tudo que nos faz tomar certas atitudes. É por isso que:

"Enquanto você se esforça prá ser
Um sujeito normal
E fazer tudo igual

Eu do meu lado, aprendendo a ser louco
Um maluco total
Na loucura real

Controlando a minha maluquez
Misturada com minha lucidez

Vou ficar
Ficar com certeza
Maluco beleza


Este caminho que eu mesmo escolhi
É tão fácil seguir
Por não ter onde ir

Controlando a minha maluquez
Misturada com minha lucidez

Vou ficar
Ficar com certeza
Maluco beleza
Eu vou ficar.....

domingo, abril 18, 2010

Metamorfose

Fui a Taquari, neste domingo, dar um abraço na minha irmã - a gatinha completou seus 23 anos. Toquei Raul de Lajeado a Taquari. Fiz o que todos pedem: "Toca Raul". Cantei horrores. Foi sensacional. Muitos pensamentos fizeram a viagem ser bem mais longa. Daí cheguei a conclusão que "prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo; sobre o que é o amor, sobre o que eu nem sei quem sou"...

quinta-feira, abril 15, 2010

Gente que quer aparecer

Me irrita tremendamente o ego das pessoas. Não sou contra o orgulho moderado, a vaidade controlada. Acho que quem é bom tem que saber que é, e pode mostrar que é. O que não precisa é sair por aí dizendo: "Eu sou o cara". As pessoas vão te ver sendo o cara e vão reconhecer isto. Abaixo ao superegos.

Meu gato

Já escrevi algumas vezes que tenho um gato - nem precisam farejar situações diferenciadas, aqueles que ainda não sabem, pois se trata de um felino persa, de quatro patas e muitos, mas muuuiiitttoooosss pêlos. Pois este é o cara que me entende. Acho que sou meio felino. E não me refiro assim por me achar tão bonito quanto meu gato, o Tom, mas pela relação que tenho com meus sentimentos.
A criatura, o gato, me espera todos os dias na porta do quarto querendo receber carinho; me abraça - um presente para minha rinite -, tenta lamber minha perna, como se fosse a dele, e me faz um monte de carinho. O mesmo acontece quando chegou à noite, após o trabalho. Mas nos finais de semana, quando a criatura, eu, estou em casa, ele fica na dele. Está por lá, caminha, brinca, corre, deita longe. Acho que anda meio assim. Tem fases que preciso de carinho, oferecer e dar muito carinho, mostrar compaixão, e tem momentos em que prefiro, de fato, estar só: a TV, o gato e eu. E viva a maluquice do ser humano, eu.

domingo, abril 11, 2010

Outra chance à vida

Tem vez que fico a analisar o passado. Hoje fiz isto depois de ver o filme Lembranças, que está no cinema - vale como dica pelo final, é surpreendente. Daí me veio à cabeça que poderia ter feito muitas coisas diferentes. Poderia ter estado mais com meu pai (ele ainda está vivo, mas sempre estivemos muito distantes), poderia ter aprendido a pescar com ele, ter aprendido a tocar algum instrumento musical; poderia ter estado mais com minha mãe (também viva), ter lhe dado apoio e incentivado nas tantas vezes que precisou e teve que lutar sozinha; poderia ter orientado mais minha irmã para que não fizesse coisas que lhe fariam se arrepender depois; poderia ter estado mais com minha avó, que tanto carinho teve por mim, e que só via o seu abanar na janela, como se dissesse "não me resta muito tempo"; poderia ter amado mais e evitado que a lágrima caísse no meu rosto; poderia ter feito um monte de coisas que, acho, me fariam mais feliz, agora. Poderia... não fiz. Me resta crer que, no presente e futuro, esteja fazendo as coisas certas para que não role mais lágrimas em meu rosto por coisas que eu poderia ter feito.

Ouvi dizer

Ouvi, agora, e resolvi socializar a ideia: "A vida é feita e escolhas. E a somatória dos momentos, grandes e pequenos, é o que nos identifica."

Jantar

Tive, recentemente, a oportunidade de receber amigos para jantar em meu apê. Reconheço que deveria ter feito isto antes, pois são pessoas bacanas, que nos fazem levar um papo sensacional, além de comer e beber muito bem. Gosto de conversar - mais de ouvir - e saber o que se passa pelas cabeças alheias, assim como mostrar o que se passa por esta protuberância que carrego sobre o pescoço. Foi muito bom. Vamos fazer muito mais vezes.

Mais um talento

Está no You Tube (procure por lá) e é sensacional. Um garoto de olhinhos puxados, cabelo feito penico, bem parecido com o Inhonho do Chaves, solta a voz e canta Whitney Houston como poucos. O piá, Lin Yu Chung, mostrou ao que veio. A música, por si, é incrível, e na interpretação dele vale ainda mais a pena ouvir.

terça-feira, abril 06, 2010

Oh dó de mim, hehehe

Noutro dia li o blog da amiga e colega Pita (dá uma olhada ali do lado que você acha o link). A guria disse não se dar bem com a alegria, e que vivia em uma tranquilidade com a tristeza. Pois eu me considero o contrário. Não sei lidar com a tal de tristeza, nem de passar perto dela. Na verdade meu problema não é nem me deparar com a tristeza. É a não poder contar com a alegria. Gosto de estar rindo, de fazer uma anarquia, de ouvir a barulheira de um lugar em que as pessoas produzam.
Percebo, porém, que o devaneio alusivo à tristeza e aversão à alegria, de Pita, não é tão incoerente, como parece. Escrevo muito melhor triste. Penso, reflito, deixo transparecer a essência do escritor. Há uma exposição exagerada do que penso quando estou escrevendo e a tristeza é minha única companheira. A alegria abarrota meu peito de um sentimento agradável, mas me dá uma superficialidade na hora de escrever, que me assusto. Nos momentos em que não estou bem - com a vida, com o trabalho, com o coração, sei lá, qualquer coisa - consigo, entre uma lágrima e outra (este ser chora horrores) dizer o que tenho vontade e mostrar como sou verdadeiramente.
Tomara que eu escreva sempre com superficialidade. Oh dó de mim!!!

Frase perfeita

Li esta no Twitter: "Se procuras uma mão disposta a te ajudar... Você a encontrará no final do teu braço"

Quero uma casa no campo

Quero um período de férias; quero gritar e chorar feito criança; quero abraçar quem eu amo; quero fazer uma festa com amigos; quero entrar numa briga; quero pular de paraquedas; quero correr pelado na chuva; quero ser eu, somente eu, e que as pessoas gostem, ou não, assim mesmo. Quero tantas coisas, que nem sei quantas, nem quais quero primeiro. Apenas quero.

segunda-feira, abril 05, 2010

As coisas acontecem

Ainda tem gente que transa sem camisinha achando que Aids é só coisa que acontece com os outros. Ainda tem gente que dirige feito maluco, correndo como se estivesse em um autódromo. Ainda tem gente que não se vacina, porque acha que nunca vai pegar a tal doença - seja ela qual for. Ainda tem gente que crê no inacreditável. Ainda tem gente que acha que é possível ser feliz. Para estas, por certo ainda existe uma solução, um caminho, uma esperança.

domingo, abril 04, 2010

Letras que viram tatuagem

Ouvir as letras de músicas com atenção é muito bacana. Admito que não lembro delas, depois, mas algumas me vêm à cabeça. Geralmente são as antigas e elas têm algum fundamento. É certo que você já viveu, ou vai viver, o que aquelas letras dizem. É verdade que muitas são uma facada no cotovelo, mas elas falam da vida, de amor, de relacionamentos. Um dos exemplos de autores que conseguiam fazer isto com brilhantismo é Altemar Dutra. O cara já se foi, mas deixou pérolas como o texto que segue:

"Veja só que tolice nós dois
Brigarmos tanto assim
Se depois vamos nós a sorrir
Trocar de bem enfim
Para que maltratarmos o amor
O amor não se maltrata não
Para que se essa gente o que quer
É ver nossa separação
Brigo eu você briga também
Por coisas tão banais
E o amor em momentos assim
Morre um pouquinho mais
E ao morrer então é que se vê
Que quem morreu fui eu e foi você
Pois sem amor estamos sós
Morremos nós.

Quero ir para casa

Pensa num domingo com chuvisqueiro. É o primeiro com verdadeira cara de outono. O céu carregado, chuva fraca, a temperatura ficando mais amena conforme passa a hora, você cansado da noite anterior, quando fez uma festa com a galera. A sua vontade é:
Opção a - ir trabalhar?
Opção b - ir durmir?
Opção c - sentar no sofá, em frente à TV, comendo pipoca? (ah, com a pessoa que você curte do lado)
Quem respondeu "A" me avisa, que eu nunca mais converso com esta criatura. Se a resposta foi "B", ainda dá para aceitar, mas amanhã é segunda e se você perder estes momentos gostosos para ficar junto, fará isto quando?
E se você optou pela "C", ah, meu amigo. Parabéns! Você tem bom gosto, juízo, e sabe aproveitar a vida. Pena que, mesmo tendo escolhido a "C", tive que me deparar com a "A". Quero ir para caaaaaaaaaaaaaaasa.

quarta-feira, março 31, 2010

Coloquei o BBB

É extremamente estranho que, quando há algum compromisso particular, as pessoas consigam terminar todas as suas atividades bem cedinho. Isto não é particularidade de uma ou outra empresa. Em todo lugar é assim. Foi assim ontem no jornal O Informativo do Vale. Era a final do BBB. Durante o dia o pessoal ficou falando, brincando, fazendo comparações de alguns colegas com os personagens remotos deste programa (fiquei me achando quando me chamaram de Bial, lógico que não pela altura ou talento, mas pelos óculos - já serve). Certo que na noite estariam todos vidrados na frente da TV. Mas parte desta equipe ficaria de fora. Acredita nisto? Pois é, nem eu. A única parte, mesmo, fui eu. E ainda mantive a TV da redação com volume considerável para que eu pudesse ouvir - também, Ivete estava lá e curto muito essa baiana. Os demais foram todos embora. Fiquei imprimindo algumas páginas para que o pessoal da oficina fizesse seu trabalho, depois. Fiz isto com o jornal, depois com o primeiro bloco da Revista Lazer, que vai circular Sexta-feira Santa. Por isso, quando terminou o programa ainda estava na redação (gosto ficar sozinho no trabalho). Daí sobe o chefe da impressão (Ciro) e diz: "Quer colocar o resultado do BBB ainda dá. Ele é colorado". Ciro não tem espaço para ser mais colorado. Não iria desmontar uma página para dizer que o cretino do gaúcho Dourado havia ganho. Então fiz uma notinha - na capa é verdade - mas era o mais prático a se fazer. Não é um hábito colocar notas ou matérias na capa do jornal, mas para essa exceção vale. Afinal, quem não estava à frente da TV vendo Bial e sua trupe?

segunda-feira, março 29, 2010

Que doido

Não sei o que faço no blog. Penso em devanear e entrar em minhas loucuras, explorando o meu "eu". Também penso que sou um jornalista e poderia usar este meio para informar as pessoas que se atrevem a digitar o www.marciosouza.blogspot.com Parece que tenho responsabilidade de passar a informação, assim como fazemos (meus colegas e eu), diariamente, no jornal. Mas aí volta aquela vontade de conversar comigo, e o blog passa a ser um espaço em que posso me deleitar e falar sobre algo que não falaria ao grande público, ou que não seria de interesse de qualquer que fosse a criatura, a não ser da persona que me habita. Se tenho outro por dentro? Não. Tenho a mim mesmo. Meu outro por dentro sou eu em minha plenitude. É mais fácil encarar assim, pois quando fazemos algo que não concordamos podemos condenar este outro ser. Da mesma forma que, quando queremos fazer uma fofoca podemos conversar com o ouvinte, ora mudo, ora megalomaníaco falante que se esconde no íntimo.
Na verdade não sei o que quero. Estou satisfeito e insatisfeito; pleno e incompleto; tenho certeza, mas é de que estou incerto; deixo um pouco a barba que é para esconder minha cara de mim mesmo; e logo a tiro, porque a máscara me irrita e dá coceira no pescoço; penso em deitar em uma rede, tomar água de coco, e ler bons livros; penso em trabalhar o dia inteiro, feito um workaholic; penso em comer um bife bem passado rodeado de batata frita com a mesma vontade que tenho de me tornar vegetariano; penso em fazer um monte de coisa. Porém antes que faça qualquer uma delas, vou tomar um banho e ir dormir, porque amanhã é outro dia. Quem sabe, um dia melhor.

segunda-feira, março 22, 2010

Trânsito

Quem circula por Lajeado já deve ter percebido que o trânsito mudou. Se ainda não percebeu é uma pessoa de muita sorte por não ter se envolvido em algum acidente. Mas o que me leva a escrever sobre isto são as reclamações sobre as alterações. Tem gente até pedindo audiência pública sobre o tema. Ora, o público, por natureza, só defende o que é de interesse próprio, ignorando as melhorias para a coletividade. Assim, cada um vai dizer que a melhor forma de fluir o trânsito é a que lhe beneficia. Foi por isso que a prefeitura gastou bastante dinheiro contratando técnicos e implantando o sistema que deve ser o melhor para o momento. Pode ser que, amanhã, depois, seja encontrada uma nova solução, mas é preciso dar tempo para que se acostume com esta que, indiferente de eu ter que andar mais para retornar para casa, é a melhor.

sexta-feira, março 19, 2010

Apavorado

Estou apavorado com a criatividade da gurizada que frequenta nossas escolas atualmente. A garotada está com umas pulseirinhas coloridas nos braços - até aí, tudo bem, afinal, a vaidade sempre foi um dos pecados juvenis. Mas o significado destas pulseirinhas assusta até os mais soltinhos da velha guarda. Quando começaram, em algumas festas, vinham em três cores, como o semáforo: verde - você estava livre; amarelo - tinha alguém em vista; vermelho - namoro. Agora vem mais do que o arco-íris e cheio de funções que impressionam. Vejam:
Amarela – abraço;
Laranja – dentadinha do amor;
Roxa – beijo de língua;
Rosa – mostrar o peito;
Vermelha – dança sensual;
Verde – chupões no pescoço;
Azul – a menina faz sexo oral;
Rosa claro – o menino faz sexo oral;
Branca – a menina escolhe o que ela quer;
Preta – significa fazer sexo com o rapaz que arrebentar a pulseira;
Dourada – fazer todos citados acima.
O mais louco é que os pais estão patrocinando a compra desse "enfeite" sem saber o que significam. Algumas meninas usam, é verdade, para estar na moda. Porém, outras adotam a promiscuidade como moda. E isso é o que assusta. Afinal, são jovens que estão no Ensino Fundamental e não passaram dos 14 anos.

quinta-feira, março 18, 2010

Vida, de verdade

Enjoei de assistir as nossas novelas. Antes existia um padrão que mostrava tudo era possível. Era pobre, que não trabalhava e vivia como rico, coisas inacreditáveis. Agora, mudaram o estilo. Estão mostrando coisas mais reais, gente dando duro, doenças, alertando sobre preconceitos e coisas deste tipo, mas apelam à sexualidade. É quase pornografia. Então encontro no Universal Channel uma série, que pode ser comparada a uma novela. Mas lá tem qualidade. É vida exposta; gente rica, é verdade, mas que vive como gente rica e que enfrentam situações como as nossas. Além disso, a equipe consegue manter a vida de vários personagens dando a mesma atenção a todos. Então, você pode acompanhar muitas vidas se desenrolando, problemas sendo resolvidos, ao mesmo tempo. Sensacional!

terça-feira, março 16, 2010

Frase célebre

"As únicas pessoas que não conseguem mudar são as mais sábias e as mais estúpidas", Confúcio.

Ídolos

Dá pena olhar aquele programa musical da Rede Globo, que passa na madrugada. São personalidades, seres incríveis, que marcaram a nossa música e que se entregaram, desistiram de viver, se atiraram nas drogas, não se cuidaram, deixaram o país órfão. Elis Regina, Cazuza, Raul Seixas, criaturas de capacidades incontestáveis não estão mais entre nós por bobagem. Por certo alguém vai dizer que não curte o som deles, que prefere este ou aquele artista da atualidade, mas não há como negar que eles foram bons no que fizeram. Não é preciso gostar de Roberto Carlos para saber que ele é muito bom no que faz. Tanto, que há tanto tempo está aí, sempre nas paradas. É o caso dos artistas citados, que podem ser somados a Tim Maia, por exemplo. Ainda hoje eles tocam no nosso rádio.

segunda-feira, março 15, 2010

A ereção do xixi não é do xixi

Caraca, hoje acordei com o pênis ereto, extremamente ereto e persistentemente ereto. Não é um comercial do meu amigo - afinal, quase todo homem fica assim. Sempre ouvi falar nisso como a ereção do xixi. Até porque você vai ao banheiro, faz o que tem que fazer e ele volta molinho, molinho. Daí fui ao Google procurar algo que explicasse isso de forma clara para poder contar a vocês. E não é que descobri que a ereção do xixi não é do xixi. O urologista Wagner de Ávila conta (Sessão de jovens do IG: Os Cuecas) que isto ocorre durante a noite, em momentos do sono que nos mexemos. Os olhos mexem e o resto do corpo também. Em uma destas o amigo se manifesta. Pensa que é só pela manhã. Que nada. Ocorre umas cinco vezes por noite e pode durar até 15 minutos cada. Em resumo. Se você dorme oito horas pode ficar com ereção por mais de uma hora por noite. E depois na hora do vamos ver falha, hahah! Coisas do corpo humano.

domingo, março 14, 2010

Para pensar

"Pensamos demasiadamente
Sentimos muito pouco
Necessitamos mais de humildade
Que de máquinas.
Mais de bondade e ternura
Que de inteligência.
Sem isso,
A vida se tornará violenta e
Tudo se perderá"
Charles Chaplin

Yeda Crusius

Os políticos estão muito desacreditados, mas ainda assim exercem cargos que têm relevância. Digo isto para falar sobre a governadora do Estado. Yeda Crusius abraçou uma batata quente com as duas mãos. Sabia, é verdade, que a situação do Rio Grande do Sul era de calamidade. Fez a linha dura. Os gaúchos sentiram na pele o que é ter que economizar cortando em Educação, Saúde, Segurança. Vai dizer que é agradável estar em uma sala de aula com outros 50 alunos... A sua equipe se atrapalhou a valer quando o assunto foi dinheiro público. Alguns chegaram a misturar com o seu e acabaram levando o que era público para casa - pelo menos é o que saiu por aí na mídia. Mas, de uma forma geral, ela conseguiu diminuir a mazela financeira. Pegou empréstimo? Sim, mas com uma forma mais suave para pagar. Fez, o que não se faz: papagaio para pagar outro papagaio. Mas parece que deu certo. Chegamos no último ano de governo e ela já tem algo para investir. Ainda é pouco. Se o novo jeito de governar - indiferente de nome ou partido - persistir, acredito que logo vamos poder contar com muito investimento público. Foi o que aconteceu no governo federal. Lula deu uma ótima sequência ao que Fernando Henrique criou e implantou. O resultado: o Brasil tem dinheiro.
O mais curioso é que ela levou cacetada de todos os lados. Entretanto está lá com a mesma firmeza e convicção. Todas as atitudes extremas que tomou antes continuam a ser defendidas, mesmo que isto signifique ainda mais descontentamento entre seus possíveis eleitores.

Palavras

Quero trocar palavras comigo; quero dizer coisas que gosto de ouvir e me retribuir da mesma forma; maluquice? Não sei. O que sei é que enquanto me agrado com as coisas certas a fazer ou a dizer, mais me curto, me valorizo, me sinto bem. Foi para isto que vim ao mundo: para me sentir bem. Acredito que todos viemos com essa finalidade. Então converse com seu "eu" e o convença de que somos especiais.

Circo

Falávamos, no programa Saia da Toca (aos sábados às 19h na Tropical FM), sobre a chegada do Circo Koslov. Daí comecei a pensar... Que coisa bacana é o circo. As brincadeiras que eles apresentam, as palhaçadas, os malabares, enfim, tudo que envolve este mundo, mutante e ao mesmo tempo repetitivo. Mutante, porque esses artistas a cada semana estão em um ambiente diferente, com cultura ímpar; repetitivo, porque faz trocentos anos que utilizam os mesmos mecanismos para encantar os espectadores. E o melhor de tudo: encantam. Você até já sabe o que vai ser dito. É quase como assistir Chaves pelo SBT. Mesmo assim, vale pagar o ingresso, ver o esmero de quem, todo dia, se fantasia para agradar aos outros. E viva o circo!!!

quarta-feira, março 10, 2010

Cagada ambiental

O Estado, como entidade administrativa, tentando se livrar de suas atribuições, mais uma vez fez porcaria. Entregou aos municípios a liberdade de tomar decisões sobre as questões ambientais. Lógico que fazem bobagem para agradar a um ou outro conhecido. Assim, ganham os amigos dos que estão lá no poder por quatro anos, perde a natureza.

Frase célebre

"A ação nem sempre traz felicidade, mas não há felicidade sem ação." (Benjamin Disraeli)

Paciência

Tenho problemas em tolerar certas pessoas - está bem, talvez o problema seja eu -, mas indiferente de qual pode ser a criatura intolerável, continuo as achando intoleráveis. Me refiro aqueles que têm diarréias mentais. São indivíduos que se consideram seres superiores, que vivem acima do bem e do mal, que não conseguem conviver com os demais sem demonstrar ar de superioridade. Penso que um pouco é necessário, porque não podemos ficar rastejando em frente aos outros, como se não tivéssemos capacidade para exercer nossas funções, viver, ...

domingo, março 07, 2010

Quero

Quero caminhar pelos trilhos,
antes que chegue o trem;
quero me molhar,
quando a chuva cair;
quero pedir carona num deserto,
quando o primeiro camelo passar;
quero saber que plantei a árvore,
quando estiver colhendo o fruto;
quero viver a inocência de ser criança,
antes de ficar velho demais para lembrar como era;
quero cair tombos,
antes de aprender a andar de bicicleta;
quero viver a vida,
antes que ela vire nome de novela;
quero apenas, e tão somente, ser eu,
antes que o "eu" se acabe.

sábado, março 06, 2010

Tudo certo

Depois de uma semana tumultuada, posso dizer que tudo está certo. É assim que vai ser. Na próxima semana, tudo vai dar certo. As coisas vão acontecer, como devem acontecer, com grandeza, evoluindo, transformando pedras em degraus para subir as escadas que a vida nos obriga a subir.

quinta-feira, março 04, 2010

Queria

Devia ter amado mais
Ter chorado mais
Ter visto o sol nascer
Devia ter arriscado mais
E até errado mais
Ter feito o que eu queria fazer...

Queria ter aceitado
As pessoas como elas são
Cada um sabe alegria
E a dor que traz no coração...

O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar...

Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr
Devia ter me importado menos
Com problemas pequenos
Ter morrido de amor...

Queria ter aceitado
A vida como ela é
A cada um cabe alegrias
E a tristeza que vier...

O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar...

Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr...

Salve, Sérgio Brito!!!

quarta-feira, fevereiro 24, 2010

Split

Não uso ventilador, nem naqueles dias mais quentes. Nem tenho um destes aparelhos em casa. Acordo com falta de ar quando tem o tal joga vento no ambiente em que durmo. Parece que nasci para ser boa vida, porque ar condicionado e o moderno split não me atrapalham em nada a respiração. Entretanto, seus custos são bem maiores. Mesmo assim resolvi cair na tentação e adquirir um destes cuspidores de prazer - sim, porque é um gozo você ressonar com o ambiente em clima alpino. Que bobagem! Só tentei e não consegui. Não existe mais o aparelho em Lajeado. As lojas não têm nem previsão de quando vão conseguir novamente para colocar à venda. O que está por chegar já foi vendido. Droga! Acho que vou refrescar o corpo só no ano que vem. Agora é aproveitar o calor e suar feito um porco.

Casamento

Tive a satisfação de conhecer a família do amigo e colega de trabalho, Ermilo Guilherme Drews Neto. Desta forma, com o nome completo, foi que sua esposa, Letícia, lhe chamou no altar, sábado, ao dizer que queria ficar com ele até que a morte os separe. Aquelas coisas todas de momento de casório. Quanto calor!!! Não menos intensa foi a satisfação de estar com os amigos em tão divertida festança. Os caras não pouparam esforços para ver todos bem atendidos. E fomos mesmo. Parabéns e obrigado por tanta atenção!!!

quinta-feira, fevereiro 11, 2010

Justiça dá aula à política

Os homens de preto podem até mudar de ideia e tirar o governador de Brasília, Arruda, da cadeia, mas o fato é que ele foi. Esteve atrás das grades pelas ações que tem feito achando que vai ficar impune, porque manda na Assembleia Distrital. Sorte que existe o Judiciário, nesses casos, e dá aula de civilidade. Parabéns!!!!

Preguiça

Sempre acho um motivo para dar uma fugida daqui. Vocês já devem ter percebido. De tempo em tempo venho, escrevo algo e digo que não sou tão assíduo porque estou trabalhando feito um doido - tudo bem, sou meio doido mesmo e trabalhando bastante ou pouco, sempre vou estar assim. Agora qual seria a desculpa? A colega Pita cobrou: "Está em férias, pode postar no blog, agora". Está bom, Pitex. Garanto que vou ser mais assíduo, eu acho. O primeiro passo é admitir minha maior dificuldade: a preguiça. O resto, bom, vamos ver no que dá.

Calor

Caraca, acho que tenho a temperatura um pouco maior do que os demais. Meu corpo está sempre aquecido (não é um comercial, talvez até esteja admitindo algum distúrbio, sei lá), porque sinto as pessoas mais frias ao cumprimentá-las, por exemplo. Então, demoro mais para sentir esse calorão que todos falam. Os últimos dias devem ter sido terríveis para os outros, pois até eu tenho sentido o tal calorão. Criei coragem, abri o bolso, e fui hoje ao centro para comprar um split (ar condicionado moderno com menor ruído e consumo de energia). Doce ilusão. As lojas não têm mais o produto, nem expectativa de quando vão chegar. Existe fila para comprar o aparelho que cospe felicidade climática. Tudo bem, vou me contentar, mais um verão, com a natureza e o vento, se é que ele vai resolver se apresentar.

sexta-feira, fevereiro 05, 2010

Perplexo

Não acho que a vida deva ser comum, monótona, tão previsível. Mas fico perplexos com algumas atitudes tomadas pelas pessoas que conhecemos. Parece que não pode ser verdade como agem. E olha que não estou me referindo a alguém que você conheceu há meia dúzia de meses. Me refiro aqueles que você julga te mais intimidade, que você imagina saber melhor de seus jeitos e trejeitos. As pessoas estão assim: surpreendentes. Não estou estabelecendo essa forma de ação e jeito de encarar a vida como sinônimo de erro. Cada um faz o que lhe convier. Talvez até estejam certas e o ideal é pensar somente no seu umbigo e seguir a vida. Os demais, quer sejam amigos, familiares, ou algo mais, que se explodam. São atitudes que vemos e parecem ser mais comuns entre os seres. Tomara que os animais, ditos irracionais, não peguem mais esse defeito dos humanos.

sexta-feira, janeiro 29, 2010

Férias

Estou puxando as férias, dia a dia, como a criança que puxava o carrinho com uma cordinha - no passado, é claro, quando os brinquedos não eram a controle remoto.

Frase célebre

"A adversidade desperta em nós capacidades que, em circunstâncias favoráveis, teriam ficado adormecidas." (Horácio)

Puxão de orelha

Organizava meus e-mails, hoje, quando me deparei com um que ainda não havia lido. É do colega Emilio Rotta - o cara que é Prêmio Press. Reclamava da falta de atualização de posts no blog. É bem verdade que colocou outros no balaio, tipo o Ermilo Drews - se é para assumir mea culpa vou assumir por outros também, hehe. De fato estou ou estamos relapsos. É a correria? Sim. É a preguiça? Sim. De tempo em tempo se dá uma brochada na questão escrita. Não sei justificar o motivo, mas que há, há. Mais uma vez vou prometer mais assiduidade. Se dá para acreditar é outra conversa. hehe

quarta-feira, janeiro 20, 2010

O Haiti é aqui?

Tem muita gente contrariando a iniciativa do governo federal de auxiliar, de forma bastante intensa, o povo do Haiti. O principal motivo seriam os acontecimentos, também trágicos, na região. Tivemos perdas. Pessoas viram ir água abaixo tudo que conquistaram durante a vida, mas restaram as vidas. As perdas são só materiais - além das emocionais, é claro - e podem ser repostas. No Haiti, porém, falamos de um terremoto que levou mais de 70 mil pessoas. É como se Lajeado inteira tivesse morrido de uma só vez. É gente que vive na merda, resultado de intermitentes guerras e violência, e ainda se depara com esse desastre natural. Ora, o mínimo que podemos fazer é ajudar essas pessoas, que são seres humanos, assim como nós. Lógico que a União não pode abandonar nosso povo. Agora criticar a iniciativa brasileira é, no mínimo, egoísmo.

terça-feira, janeiro 19, 2010

Então

Estou com vontade de viajar no texto, de sentir as palavras batendo em meu rosto como os pingos da chuva, que insistem em cair lá fora. Ouço o barulho da água que cai, como queria ouvir o efeito sonoro de palavras bem ditas. Sinto necessidade de ler algo que não seja óbvio, de escrever algo que não seja óbvio, de viver algo que não seja óbvio; sinto-me aprisionado num eu, que nem sei quem é; estou confuso; sinto-me só, extrema e tristemente só, mas sei que estou acompanhado; algumas vezes na companhia que pedi a Deus; o que me consola em alguns instantes. Que venham os dias, os momentos, a vida, e que me ensine a vivê-la de modo a não sentir meu peito apertado, os olhos caudalosos, corpo e mente lentos.

Frase célebre

A vantagem de ter péssima memória é divertir-se muitas vezes com as mesmas coisas boas como se fosse a primeira vez. (Friedrich Nietzsche)

TV

Para quem gosta de acompanhar informações sobre mídia, aí vai uma que está causando o maior bafáfá: O SBT conseguiu, pelo segundo dia, emplacar o segundo lugar em audiência. Isso não ocorria há bastante tempo. O único programa que não ganhou da Record foi o SBT Brasil. Parece que a TV do Bispo começa a enfrentar problemas.

Internet de graça

A Uambla, via Tecno Point e LiquidWorks, está abrindo sinal de internet, de graça, para todos no Centro de Lajeado. Esta e uma ótima iniciativa, que vai ampliar ainda mais o número de usuários da rede de computadores. A entidade é a responsável pela cobrança do estacionamento rotativo no município e deve implantar um novo sistema de cobrança, que necessitou a utilização da internet. Assim, todos puderam ser beneficiados.

Televisão

Sou cria do rádio - do velho rádio AM, que se consolidou em todo o mundo e hoje enfrenta grandes problemas para a sua existência. Surgiram novas plataformas, que dão mais qualidade e até agilidade ao veículo que se considerava ágil e interativo. Hoje, estou no mundo das letras, das escritas, de textos que buscam ser rebuscados, de gente que quer escrever sem parar, e escrever muito. Me atrevo a participar, também, do mundo televisivo - coisa meio à bangu, como diz o cinegrafista Neto, mas vamos lá que a coisa tem que acontecer. Até em blog, como bem sabem, dou uns pitacos. Em resumo, sou apaixonado por comunicação. Amo o que faço e acredito que todos deveriam ter essa oportunidade: amar o que fazem.

segunda-feira, janeiro 18, 2010

A TV é o Haiti

Sou viciado em grandes coberturas jornalísticas. Vejo meus colegas fazendo trabalhos sensacionais, incríveis. Nessa hora, até, dá um pouco de inveja, já que estou mais na parte burocrática da profissão. Mas aí vejo o que o Fantástico fez ontem à noite e entendo porque deixei de assistir esse programa, que se diz o show da vida. O repasse de informações sobre o terremoto que detonou como o Haiti estava interessante. Muitos dados, muitos cases, até que foi apresentado um clip da desgraça. "Veja agora em som e imagem como está o Haiti". Tenha a santa paciência. Não precisa fazer amontoado de imagens de destruição e gente chorando, como se fosse um clip musical de péssimo gosto, para mostrar o que aconteceu por lá. Estávamos vendo na parte jornalística. O show da vida deu um show de horror.

quarta-feira, janeiro 13, 2010

Cada assessoria

Tem cada assessoria que dá para matar de vergonha. O Estado fez, ontem, a entregua de uma quantidade enorme de viaturas para a Brigada Militar. Ótimo, a briosa corporação precisa de veículos novos e com condições de uso. Ocorre que isso foi feito em Marques de Souza, onde aconteceu toda aquela desgraça natural no início do ano. Tudo bem poderia ter sido lá, só que a cidade não recebeu viatura alguma. Quer dizer: o que foram fazer lá, então? Foram mostrar para aquelas pessoas que estão em calamidade que o estado inteiro vai receber viatura e eles, que estão na merda, vão ficar só olhando? Pelo menos se a governadora tivesse ido até a cidade, anunciado investimento para ajudar os desabrigados e desalojados já teria sido melhor. Bola fora da assessoria que escolheu Marques de Souza. Tem cada coleguinha que vou te contar...